Desenrola Brasil: governo publica regras para endividados participarem do programaBlog Bahia - O Portal de Notícias do Oeste Baiano


28/06/2023

Desenrola Brasil: governo publica regras para endividados participarem do programa

 

Programa vai beneficiar devedores com renda mensal de até R$ 20 mil; famílias que ganham até 2 salários mínimos podem renegociar dívidas de até R$ 5 mil

O governo federal publicou nesta quarta-feira (28) os requisitos, as condições e os procedimentos para adesão ao Programa Emergencial de Renegociação de Dívidas de Pessoas Físicas Inadimplentes (Desenrola Brasil).

O programa vale para quem foi incluído no cadastro de inadimplentes entre 1º de janeiro de 2019 a 31 de dezembro de 2022 As regras foram detalhadas em portaria do Ministério da Fazenda publicada no Diário Oficial da União, que estabeleceu duas faixas para adesão ao programa:

  • Faixa 1: para quem tem renda mensal de até dois salários mínimos  (R$ 2.640 atualmente) e para devedores inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Para este grupo, a dívida não pode ultrapassar R$ 5 mil.
  • Faixa 2: para devedores com renda mensal de até R$ 20 mil

Podem ser renegociadas dívidas de consumo (como água, luz, telefone, varejo e bancárias) e de empréstimo consignado, mas não aquelas com garantia real, relativas a crédito rural, financiamento de imóvel ou de operações como funding (captação de investimentos para empresas).

As pessoas da faixa 1 só poderão aderir ao Desenrola Brasil pela plataforma digital gov.br, com certificados prata ou ouro (onde as pessoas poderão escolher o agente financeiro, as dívidas para renegociação e a forma de parcelamento).

As da faixa 2 poderão aderir tanto pela plataforma gov.br quanto pelos canais indicados pelos agentes financeiros. Elas poderão quitar as dívidas de forma parcelada (a partir de 12 prestações).

Para quem tem renda mensal de até R$ 20 mil, não são aceitas dívidas de crédito rural; que possuam garantia, equalização de juros pela União, entidade pública ou aporte de recursos públicos; e que não tenham risco de crédito assumido.


Fonte: Blog Bahia  / InfoMoney

Nenhum comentário:

Postar um comentário